Sonhos largados

Eis-me aqui vagando cego... / Solitário e triste/ Uma pedra imensa no ego.../ Aperta o peito,insiste/ Porque entreguei-me?/ Porque sumistes?/ Não me assumistes/ Nem me notastes aqui!/ Pensei/ Pensei: “eu sei amar” / Então notei:se tudo sei / É porque não sei de nada/ E por maior que seja o meu empenho/ Quanto mais algo é meu/ Aí é que nada tenho/ Não tenho a mim/ Nem a você/ E dos cegos/ O pior deles/ É sempre aquele/ Que não quer ver/ De que me vale sonhar que tenho?/ Se tanto empenho resulta em nada!/ Sigo então meu caminho/ Largando sonhos pela estrada/